.

.

4 de julho de 2016

Ministro da Saúde afirma que não há previsão de novos recursos para PE

Ministro voltou a afirmar que é preciso melhorar gestão. Ricardo Barros garantiu que recursos já prometidos vão ser repassados.

Apesar da solicitação dos governos estadual e municipais de Pernambuco, não há previsão do repasse de novos recursos do Ministério da Saúde para melhorar os serviços de saúde pública em Pernambuco. A informação foi confirmada pelo ministro Ricardo Barros, que se reuniu com prefeitos e gestores de saúde de cidades pernambucanas na Secretaria de Planejamento, no bairro da Boa Vista, na área central do Recife, nesta segunda-feira (4).

"Evidentemente há muitas reivindicações de novos recursos, mas, no momento econômico que o Brasil vive, não podemos garantir isso. Precisamos publicar novas portarias, mas não há uma autorização neste momento. O que propomos é usar melhor os recursos que o sistema já dispõe", afirmou o ministro ao final do encontro.

Ricardo Barros negou, porém, que estão previstos cortes no orçamento da saúde. "Estão garantidos os recursos para cumprir o que foi contratado neste ano. Tudo será pago neste ano", garantiu o ministro.

O ministro também explicou que a pasta pretende enfrentar a desativação de leitos de internação de uso exclusivo do Sistema Único de Saúde (SUS). Em Pernambuco, no período de 2010 a 2015, foram 659 leitos desativados,segundo um estudo elaborado pelo Conselho Federal de Medicina junto ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, do Ministério da Saúde, em maio deste ano.

"Este não é um problema só de Pernambuco, mas de todo o Brasil. Nós precisamos reativar esses leitos, mas em uma visão de atenção regional de como podemos aproveitar essas estruturas. Os hospitais de pequeno porte no interior têm muitas dificuldades de sobrevivência e precisam de apoio do financiamento. Estamos construindo situações jurídicas para que haja a possibilidade de ampliar o financiamento desses hospitais de pequeno porte. Reativar esses leitos é mais fácil que construir novas unidades", ressaltou.

Pernambuco recebeu do ministro elogios com relação às pesquisas relacionadas à microcefalia. "No estado está sendo feito um grande trabalho de pesquisa para que possamos conhecer melhor como a zika vai afetar as crianças ao longo de sua vida. Isso é fundamental, pois são dados que nos ajudarão a aplicar melhor os recursos na prevenção e na estimulação precoce dessas crianças", destacou Barros.

Do portal G1/Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário