.

.

20 de abril de 2017

Polícias investigam sete casos de vítimas do "jogo" Baleia azul em Pernambuco

Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
As polícias Civil e Federal já registram sete casos de adolescentes envolvidos com o “jogo” Baleia Azul em Pernambuco. A informação é da Polícia Civil de Pernambuco, que realizou uma coletiva de imprensa para dar orientações sobre o assunto na tarde desta quinta-feira (20), no Recife. 

A Polícia Civil investiga dois casos no Recife - um menino no Ibura e uma menina em Brasília Teimosa -; uma menina no município de Paulista; um menino em Goiana e um em Vicência, na Zona da Mata Norte. Já a Polícia Federal investiga dois casos na cidade de Moreno, na Região Metropolitana do Recife. 

"É um jogo macabro, quase uma seita, que afeta pessoas que ainda não têm o discernimento que nós, adultos, temos", disse Darlison Freire, gestor do Departamento de Policia da Criança e do Adolescente (DPCA). 

O caso no bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife, foi registrado nesta quinta, e envolve um adolescente. Segundo o delegado, numa das tarefas, o jovem tinha que filmar o sacrifício de um gato e beber o sangue dele. No “jogo”, a filmagem teria que ser enviada para o aliciador, conhecido como “curador”, para comprovar que a tarefa foi cumprida. Caso não fosse, a vítima e família dela seriam ameaçadas de morte. 

"O ameaçador costuma ter informações da vítima, muitas delas fornecidas pelo próprio adolescente", explica Darlson. No caso registrado nessa quarta (19), uma adolescente de 13 anos moradora de Paulista, também na RMR, teria recebido ameaças por meio de mensagens no WhatsApp quando avisou que iria sair do jogo. As mensagens partiram de pessoas que moram em Minas Gerais, Bahia e interior do Rio de Janeiro. A polícia recebeu esse material e já está investigando quem seriam esses aliciadores. "A ameaça já começa quando a pessoa ingressa, a de que, uma vez entrando, não podem mais sair", explicou o gestor. 

As investigações acontecem tanto em âmbito local quanto nacional e contam com uma força-tarefa e com a colaboração de polícias de diversos estados. Os aliciadores, mesmo que tenham menos de 18 anos, podem ser responsabilizados, junto com seus responsáveis legais. "Já vemos crimes de ameaça, lesão corporal e induzimento ao suicídio (artigo 122, reclusão de 2 a 6 anos)", explicou Darlson. 

"É assustador que as pessoas estejam cumprindo essas tarefas. Temos o temor de que, chegando ao Brasil, essas tarefas sofram modificações e passem a se dirigir a outras pessoas, como orientações para envenenar outros", falou Darlson. No Jogo, cada participante deve cumprir uma série de tarefas que vão desde a automutilação até o suicídio. Outras tarefas também são realizadas para influenciar o psicológico dos adolescentes, como assistir uma série de filmes de terror.

Da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário