.

.

4 de maio de 2017

Desafio da Baleia Azul é tema de audiência pública

Baleia Azul é um desafio que estimula os participantes, na maioria adolescentes, a cumprirem cinquenta tarefas, como assistir a filmes de terror, praticar automutilação e, por fim, se matar. A origem do desafio seria uma notícia falsa da Rússia, mas desencadeou um grande alerta, levando a deputada Terezinha Nunes, do PSDB, a solicitar uma audiência pública para debater o tema, nessa quinta. “A gente foi assoberbado com informações, mães que procuraram a polícia para registrar que seus filhos estavam com sintomas de automutilação e que teriam visto que eles estavam acessando na Internet algum site que tinha a questão da Baleia Azul. A partir disso e de outros casos que surgiram no Brasil inteiro, criou uma espécie de cataclisma. Todas as mães preocupadas, os pais… Interessa a todo mundo por a limpo essa história.”

Delegada do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente de Pernambuco – que abrange Recife, Jaboatão dos Guararapes e Paulista -, Camila Figueiredo confirmou a investigação de casos de automutilação de jovens. “O que existe são adolescentes relatando que realmente estavam envolvidos em jogos e que tinham tarefas a cumprir, desafios. Agora, saber se está relacionado diretamente à Baleia Azul, é prematuro falar qualquer coisa nesse momento. No estado, tem em torno de cinco casos que estão sendo investigados. No Departamento onde eu trabalho, três.”

As tarefas seriam passadas aos participantes pelos chamados curadores, que também pediriam provas da realização dos desafios e fariam ameaças em casos de descumprimento. Existem poucas informações e muitas dúvidas acerca da Baleia Azul. Designer e antropólogo, Leonardo Lima representou no encontro o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, Cesar. Ele entende que foi gerada uma histeria, mas que a raiz do problema não é o desafio da Baleia Azul. “Já existe um medo dos pais. Você, quando joga uma informação dessa na rede, você brinca com esse medo e você potencializa essa informação a partir disso. O que eu acho que existe realmente é uma necessidade, sim, de dialogar com nossos jovens.”

A importância de dar mais atenção à juventude foi uma unanimidade entre os participantes. Presidente da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria, Kátia Petribu acredita que a polêmica chama a atenção para um problema pouco discutido no Brasil. “Trouxe à tona uma série de discussões sobre suicídio. E que suicídio é um assunto que tem que ser realmente divulgado, realmente debatido, porque é prevenido. A gente poder realmente falar sobre esses assuntos, que antes eram encobertos, que sempre existiu.”

A Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação do estado, Ana Selva, informou que o Governo trabalha com uma política voltada para a cultura de paz junto às escolas da rede estadual e tem feito trabalhos de orientação específicos sobre o desafio. A audiência foi realizada em conjunto pelas Comissões de Educação e Cidadania. A deputada Teresa Leitão, do PT, presidiu os trabalhos. Ela destacou dois pontos levantados no encontro: a necessidade de desenvolver políticas públicas de saúde mental e a sugestão de um contraponto à Baleia Azul, um desafio com tarefas positivas, a ser criado pelos estudantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário