.

.

Quinta do Beijo na Cinesytem

Quinta do Beijo na Cinesytem

17 de maio de 2017

Em Pernambuco, criação do Bope recebe parecer favorável da Comissão de Justiça

Proposta do Executivo que cria o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) em Pernambuco recebeu parecer favorável da Comissão de Justiça, nesta terça (16). De acordo com o Projeto de Lei n° 1330/2017, que tramita em regime de urgência na Casa, a nova estrutura substituirá a Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe) e terá um efetivo de 164 profissionais, que serão capacitados para atender a demandas de maior complexidade na área de segurança pública. 

Antes da decisão – que teve a abstenção do deputado Edilson Silva (PSOL) -, os parlamentares assistiram à apresentação do diretor de Planejamento Operacional da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), coronel Roberto Santana, que detalhou a matéria e respondeu aos questionamentos. “A transformação de companhias em batalhões é prática comum nas instituições militares e tem o objetivo de atender às necessidades operacionais que surgem. A mudança não altera, no entanto, a dinâmica que existe hoje no Cioe, apenas reforça o efetivo e os equipamentos disponíveis”, esclareceu.

Segundo o oficial, o Bope é uma estrutura já presente em 15 Estados brasileiros, cinco deles na Região Nordeste. Com relação aos custos, o coronel Santana esclareceu que estão previstas, para o efetivo do batalhão, gratificações que variam entre R$ 2,5 mil e R$ 3,6 mil. O benefício alcançará, também, 350 profissionais do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior. Outras 4.567 Gratificações de Atividade Tática (GAT), no valor de R$ 800, serão pagas a militares de operações estratégicas e a comandantes de destacamentos.

A distribuição dessas funções gratificadas será regulada por decreto na PM, e as despesas para a execução da norma serão pagas com dotações orçamentárias próprias. Além disso, justificativa anexa ao PL estabelece a redução do número de cotas do Programa Jornada Extra de Segurança (Pjes) para viabilização financeira da proposta.

O líder da Oposição, deputado Sílvio Costa Filho (PRB), indagou sobre a eficiência da estrutura. “Temos dúvidas se o Bope vai melhorar as condições da segurança pública de Pernambuco. Há dez anos, quando o Pacto pela Vida era lançado, lembro que os idealizadores da medida e alguns coronéis negavam a necessidade do batalhão”, pontuou. Já o deputado Joel da Harpa (PTN) criticou a falta de clareza nos critérios a serem utilizados para o pagamento dos benefícios. “Os valores atenderão 4,5 mil homens, mas vão gerar insatisfação na maioria do contingente não atendido”, opinou.

Edilson Silva e Teresa Leitão (PT) mostraram-se preocupados com a forma de atuação do Bope e criticaram o uso da caveira como símbolo do batalhão. “O Bope foi popularizado no imaginário da sociedade como uma estrutura justiceira que age, ao mesmo tempo, como polícia, juíza e executora de pena. Não me parece adequado trazer esse paradigma para Pernambuco”, afirmou o psolista. “A caveira é o símbolo do justiçamento. Para mim, não ficou claro o que a população vai ganhar com a mudança na estrutura”, acrescentou Teresa.

Deputados da base governista avaliaram positivamente a proposta, vista como mais uma estratégia do Executivo estadual para enfrentar a criminalidade. “O Bope é resultado de uma decisão política do Governo de transformar uma companhia em um batalhão, conferindo a ele uma estrutura melhor. A mudança está sendo feita num momento em que se tem condições financeiras e de pessoal para fazê-la”, esclareceu o líder do Governo, Isaltino Nascimento (PSB).

Antônio Moraes (PSDB) respondeu ao questionamento de Joel da Harpa. “Não somos nós que vamos dizer quem merece a gratificação. Cada comandante avaliará o profissional que merece o bônus, de acordo com o serviço prestado”, afirmou. Romário Dias e Rodrigo Novaes, ambos do PSD, e Aluísio Lessa (PSB) criticaram a postura da Oposição. “Sempre escuto na Casa que o Estado não tem segurança. Quando se cria um projeto com estratégias especializadas, afirma-se que o Bope é para o Rio de Janeiro ou São Paulo, e não para Pernambuco”, disse Dias. “Falar que o Bope é desnecessário é desconhecer as características da criminalidade que existe hoje no Estado”, acrescentou Novaes.

Outras matérias – Na reunião desta terça (16), conduzida pelo vice-presidente do colegiado, deputado Tony Gel (PMDB), a Comissão de Justiça ainda distribuiu 18 propostas para relatoria e aprovou mais seis matérias. Entre elas, recebeu parecer favorável o Projeto de Lei n° 1341/2017, que autoriza o Executivo a contratar operação de crédito, no valor de U$ 20 milhões, junto ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida). O valor será destinado ao Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável dos Territórios da Zona da Mata e do Agreste de Pernambuco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário