.

.

17 de julho de 2018

Vigilância em Saúde intensifica ações de combate às arboviroses

O município do Paulista, a Secretaria de Saúde, vem intensificando as ações de combate às arboviroses, como são conhecidas doenças como a dengue, zika e chikungunya.


No bairro de Maranguape I, um dos exemplos é o da dona de casa, Edilene Maria Valentin, de 53 anos de idade, que toma todos os cuidados para evitar o foco da doença. Ela contou que tem reservatórios para o armazenamento de água, pois não é todo dia que chega pelos canos da Compesa. No entanto, ela explicou que sempre mantém tudo tampado e até as garrafas no quintal e outros objetos são mantidos emborcados para evitar o inseto.

“A minha parte estou fazendo. Quando fico sabendo dos casos, fico até preocupada, porque se todo mundo fizesse sua parte, com a gente faz, diminuiria os casos dessas doenças. E pra piorar, ainda tem gente que não deixa as meninas entrarem e não tomam muito cuidado”, disse.

Segundo informações da Superintendência de Vigilância em Saúde, o número de casos notificados neste ano, até o final de junho, foi de 581, sendo assim, cinco vezes maior que o ano passado, quando foram 125 casos notificados na cidade.

Ao todo, 17 equipes de Agentes de Combate às Endemias percorrem diariamente as ruas e visitam as residências no Paulista em todos os bairros, no entanto, é preciso que haja a cooperação da população nesse combate ao mosquito aedes aegypti.

De acordo com o superintendente de Vigilância em Saúde, Fábio Diogo, as equipes de combate às endemias têm uma rotina de identificação dos possíveis focos, além de tratamento com larvicida (caixas dágua e reservatórios) e eliminação dos focos (em pneus, ou potes jogados no quintal, dentre outros). “Dependendo do caso a gente pode até utilizar o fumacê, porque se tiver algum mosquito transmitindo doenças nesse local, a gente quebra a cadeia, e aí já pegamos o mosquito adulto”, explicou.

Ainda segundo Fabio, é preciso que haja a parceria, mas não somente o morador cuidando em sua casa, como também deixar o agente de endemias entrar nas residências para fazer o trabalho de orientação, de eliminação dos focos ou possível tratamento com larvicida biológico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário