.

.

18 de dezembro de 2018

Presidente da ONG Amigos do Bem recebe Título de Cidadã de Pernambuco

As iniciativas de desenvolvimento local e inclusão social no Sertão de Pernambuco promovidas pela organização não governamental (ONG) Amigos do Bem têm beneficiado milhares de moradores de Buíque e Inajá com projetos que fornecem habitação, formação socioeducativa e geração de renda. A entidade é presidida por Alcione Albanesi, que recebeu, na manhã desta segunda (17), o Título de Cidadã de Pernambuco, em uma Reunião Solene na Assembleia Legislativa, a partir de requerimento da deputada Laura Gomes (PSB). A homenageada nasceu e cresceu na cidade de São Paulo.

Empresária do ramo de equipamentos de iluminação, há 25 anos Alcione começou a promover, junto com um grupo de 20 amigos, a doação de alimentos, brinquedos, além de atendimento médico no Sertão nordestino. “No Natal de 1993, viajamos pela primeira vez para a região e, a partir daí, nunca mais fomos os mesmos. Após essa experiência, pensamos: ‘não podemos ser apenas um Papai Noel que chega no fim do ano, podemos bem mais do que isso’”, relatou Albanesi.

As viagens anuais da empresária deram origem à organização Amigos do Bem – Instituição Nacional contra a Fome e a Miséria, criada em 2002. A partir de 2015, Albanesi vendeu 80% de sua empresa para se dedicar exclusivamente aos projetos sociais da ONG que preside. “Quando me perguntam o que faço hoje, posso dizer: ‘eu cuido de gente’”, declarou. “Quero dedicar esta homenagem a cada um dos voluntários que ouvem tantos ‘nãos’ ao pedir contribuições para a nossa causa”, complementou.

Entre 2005 e 2007, a organização criou no povoado de Catimbau, em Buíque (Agreste), e em Inajá (Sertão) as chamadas “Cidades do Bem”, onde foram construídas 109 residências de alvenaria para 763 pessoas que viviam em casas de taipa. Os locais atendidos também receberam um centro médico, cisternas, poços artesianos e iniciativas de geração de renda, como uma fábrica para beneficiamento de castanhas de caju em Catimbau e uma unidade de capacitação em artesanato e oficina de costura em Inajá, por exemplo.

Além das casas, as comunidades receberam um “Centro de Transformação”, local que reúne escolas e atividades socioeducativas e profissionalizantes que atingiram mais de 2.100 crianças, adolescentes e jovens nas duas cidades, segundo o relatório de 2017 da ONG. Iniciativas similares ocorrem nos municípios de Mauriti (CE) e São José da Tapera (AL). Jovens das cidades atendidas também recebem bolsas para cursar universidade.

O presidente da Alepe, Eriberto Medeiros (PP), afirmou que “construir um futuro em que a fome e a miséria no Sertão nordestino sejam lembradas como fatos históricos é uma responsabilidade de todos nós, tanto do Governo quanto da sociedade civil organizada”. O deputado ressaltou que o reconhecimento do Poder Legislativo a Alcione Albanesi se deu justamente por ela ter dedicado a vida a essa causa.

“Alcione Albanesi é, a partir de hoje, cidadã pernambucana porque o Estado não abre mão de acolher quem é do bem e faz o bem para o nosso povo. A cidadania pernambucana é exigente, pois ela pede pessoas capazes de dar preferência ao ser humano, em vez de se contentar apenas com o sucesso nos negócios”, frisou Laura Gomes.

O repórter Francisco José, da Rede Globo, presente à solenidade, pediu a palavra para dar um testemunho do trabalho de Alcione Albanesi. “Há 20 anos, soube de uma mulher que estava revolucionando lugares atingidos pela seca. Ela chegava em casas cobertas de palha, sem água e sem alimento, e levava as pessoas para moradias com paredes de alvenaria e infraestrutura ao redor”, lembrou o jornalista.

A homenagem ainda contou com a presença do ex-governador João Lyra Neto, assim como dos deputados Antônio Moraes (PP) e Clodoaldo Magalhães (PSB). Houve apresentações musicais da Orquestra Arruando e do coral do Projeto Ária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário